Get Adobe Flash player
 

O que vai acontecer com Temer?

Fica até 2018
Sai antes
Ele e Dilma vão descobrir que se amam, lembrar os bons momentos juntos e reatar

 
 



    Etc...

    2012, o fim do mundo
    Lucas Barroso*
    10/12/2012


    O fim do mundo como nós o conhecemos... E vimos!

    Os Maias estavam certos. O mundo acabou. Lógico, é uma licença poética. Mas, de fato, acabou. Você não viu? Sim, o maior sucesso musical do ano foi Michel Teló. E não bastou o Brasil: Teló conquistou o mundo. Europeus, americanos, coreanos, indianos dançando Ai, Se Eu Te Pego. É... amigo! É a isso que os Maias se referiam. Chega a ser engraçado. Seria, se o humor também não tivesse acabado. Não porque o Rafinha Bastos sumiu do mapa. Não! O humor morreu com Millôr, o real inventor do twitter, e os mais de 200 personagens de Chico Anysio. 2012 foi o fim da linha para as mulheres na TV. Foi-se a gracinha da Hebe. Ficaram Sônia Abraão, Ana Hickmann, Adriane Galisteu, Ana Maria Braga... Aff, é o fim da picada!

    E a suposta amante do Lula? Lula é mesmo o cara, já dizia o reeleito Obama. Mas, ok, a vida íntima dele não é problema nosso. Problema nosso é o Lula apertar a mão do Maluf. Tudo bem, o mundo vai acabar mesmo... Demóstenes fingia que era honesto e tem gente que fingia que acreditava. Assim como o Genoino, o legítimo mensaleiro. Também tinha José Dirceu, Valdemar Costa Neto e Roberto Jefferson. Desses, todo mundo sabia. Todos, todos, não. Bem... Agora, políticos sendo julgados e condenados por corrupção é inacreditável! Não pode ser! Em que mundo estamos?! Ou em que ano estamos, mesmo? Só pode ser culpa da mídia.

    Em 2012, deu Corinthians na Libertadores. Era só o que faltava! Nas Olimpíadas, um brasileiro ganhou ouro nas argolas. Argolas?! Dizem que foi roubado. Mas quem, afinal, roubaria a favor do Brasil? Coisa de fim de mundo! Tipo leilão de virgindade. É a primeira vez que a primeira vez vai a leilão pela internet. Coisa de 2012! E a menina – tinha que ser brasileira! – recebeu milhões do homem-arrematador. Já o cara, recebeu bem menos. E de um homem! Que sinal dos tempos, não?, diriam os mais velhos. Mas pelo menos não acabou no lixão, como a Carminha, em Avenida Brasil. Neste ano, voltamos a assistir novela. 2012 teve cara de novela.

    No Supremo Tribunal, por exemplo. Joaquim Barbosa era o mocinho, Ricardo Lewandowski, o vilão. Com transmissões ao vivo e a cores. Falando em cor, a de 2012 foi o cinza. Mais especificamente os Cinquenta Tons de Cinza – ninguém sabia que cinza tinha tantos. Sucesso mundial de literatura. Livro quente para mulheres que estão esfriando, comentam. Já Philip Roth, um dos maiores escritores vivos, parou de escrever. Disse que não tinha mais nada a acrescentar. Ou será que ele teve um presságio e está nos antecipando algo que virá? Enfim – ou seria o fim? –, até o eterno Oscar Niemeyer decidiu morrer. Quem diria que esses Maias acertariam em cheio, hein?

    P.S.: Esse artigo foi escrito despretensiosamente, acreditando que o mundo não acabaria em 2012. Entretanto, se você é um alienígena e está lendo isto em 3712, após o final da vida na Terra, entenda o texto como um panorama sociológico da sua época.


    * Lucas Barroso é jornalista e escritor e vive em Porto Alegre.


    Mais Lucas Barroso
    Cordel de 2011 - 12/12/2011
    2010 foi um ano ruim - 18/12/2010
    Depende - 30/08/2010


    Leia também
    La mandarina - Jeison Silva - 06/11/2012
    Louco amor louco - Jefferson Maleski - 24/07/2012
    Lobos e tijolos - Fabiano Schüler - 11/07/2012
    Minhas objeções ao politicamente correto - Carlos Orsi - 28/09/2011
    Parem de culpar a vítima - Carlos Orsi - 11/08/2011
    Sobre internet e postes de borracha - Juliano Rigatti - 05/08/2011
    H.L. Mencken - Moziel T.Monk - 26/04/2011
    O uso crítico do senso crítico - Carlos Orsi - 12/04/2011
    Sim, eu tenho preconceito - Leandro Narloch - 17/12/2010
    TODOS OS TEXTOS