social link youtube social link twitter social link facebook

    logotipo


    patreon

    barra vermelha

    Diálogos da Corte


    Woody Allen fez um dos melhores filmes do ano ao recriar, para um escritor do século 21 desgostoso com a época fútil que vive, as festas da Paris dos anos 1920 em que se reuniam figuras como Ernest Hemingway, T.S. Eliot, Gertrude Stein, Salvador Dalí e Luis Buñuel. Pois a merecida boa recepção ao filme permite que tragamos a público esta recém encontrada gravação de uma conversa entre Nelson RodriguesPaulo Francis e Millôr Fernandes, jornalistas e escritores também representantes de uma “época de ouro” – no caso, a da imprensa e das artes brasileiras dos anos 1950/60.

    Os três têm alguns anos de diferença: Nelson nasceu em 1912, em Recife; Millôr, em 1923, no Rio; e Francis, em 1930, também no Rio. Naqueles tempos de efervescência cultural e intelectual na capital fluminense, contudo, os três estavam lá, contribuindo para tal ambiente, cada um à sua maneira. Nelson, após modernizar o teatro nacional com peças como “Vestido de Noiva” e “Álbum de Família”, nos anos 1940, continuava a escrever dramaturgia e tocava a coluna “A vida como ela é...”, no jornal Última Hora, para fascínio e escândalo dos leitores. Francis redigia críticas elegantes e impiedosas de teatro e editava a Senhor, revista que se tornaria um marco do jornalismo cultural brasileiro. Millôr, por sua vez, mandava ver em O Cruzeiro, como designer gráfico e titular da moderna seção de humor Pif Paf, que depois ganharia vida própria numa revista fundada por ele. Mais tarde, Francis e Millôr participariam da criação d’O Pasquim, no qual seguiriam inovando a linguagem da imprensa do Bananão, para citar termo de Ivan Lessa, colega deles no mesmo jornal. De Nelson, Millôr também foi colega, em O Cruzeiro, além de amigo.

    Nelson e Francis trabalharam muito para se convencerem do contrário, mas constataram o que Millôr sempre dizia – “O ser humano é inviável” – e abandonaram estas paragens, respectivamente, em 1980 e 1997. O autor da frase, porém, ainda está conosco, com o mesmo ceticismo. A gravação do diálogo entre essas três inteligências privilegiadas foi encontrada sem indicação de data ou local. Mas parece que também ocorreu durante uma festa.


    Publicidade


    Francis: Além de gostar de imitá-lo em telefonemas para amigos, também aprecio muito seu trabalho, Nelson. Falei mal dele no passado, mas hoje reconheço que diz o que precisa ser dito. Você sabe do que é sexualmente inconsciente e irresistível. Escrevesse numa língua mais divulgada e seria montado por companhias do mundo inteiro. Seu teatro não é jeca como a maior parte do feito aqui.

    Nelson: Fico lisonjeado com seus elogios, Francis. Sei do seu nível de exigência. Do seu e do Millôr, meu bom amigo.

    Millôr: Estou ao lado de dois grandes amigos e colegas de trabalho. Salve.

    Nelson: Nosso passado em comum é mesmo gratificante. Trabalhamos bem. Éramos jovens mas tínhamos ao menos ideia do que fazíamos. Isso é raro, e hoje, então, é raríssimo. A juventude atual só faz idiotices. Nunca os jovens foram tão pouco generosos, tão pouco heróicos, tão pouco humanos. Tentem conversar com moços de 19 ou 20 anos, caros Millôr e Francis. Não se aproveita nada! Caso me pedissem para dar conselho aos jovens, diria: envelheçam depressa, com toda a urgência, envelheçam! Se hoje eles já quase andam de quatro, imaginem daqui a 40, 50 anos...

    Francis: Imagino e me espanto. Porque o que vemos hoje é mesmo uma juventude que se veste mal, come porcaria, vê porcaria, ouve porcaria etc., e se autofustiga que está não só contestando como que é feliz e que só caretas reclamam.

    Millôr: E a tradição de jornalismo denso e provocativo que, reconheço, praticamos corre risco de não ser levada adiante por eles. Outro dia, uma repórter me ligou para saber o que eu andava lendo. Almanaque Capivarol, respondi. Ela pediu para soletrar!

    Francis: São os mesmos que se gabam de ter frequentado curso de jornalismo! Escola de jornalismo tem que dar como currículo as obras completas de Machado de Assis e Eça de Queirós, com a obrigatoriedade de o aluno escrever depois um ensaio sobre as ditas-cujas. Só. O resto se aprende na redação.

    Nelson: Machado e Eça são espetaculares e, de fato, essenciais. Entre os brasileiros, acrescentaria Guimarães Rosa e Euclides da Cunha. Se é que os jovens já tenham ouvido falar deles.

    Francis: Rosa é bonito, mas chato. Euclides é, sim, indispensável, embora não seja modelo de estilo. Escreve como Jânio Quadros fala. Mas Os Sertões é obra de gênio.

    Millôr: Vocês disseram Machado? “A Glória que fica, eleva, honra e consola”... Eu, hein.

    Francis: Não leu Memorial de Aires, caro Millôr? É o livro mais bem escrito em português que há.

    Nelson: E Dom Casmurro? O livro traz uma verdade incontestável. Todo homem será, invariavelmente, traído ou traidor. O desejo é vil.

    Millôr: Claro que li Dom Casmurro. E percebi algo que vocês talvez não tenham percebido: quem o Bentinho queria, na verdade, era o Escobar, não a Capitu. A relação real acontece entre os dois. Ou dá – com o perdão do verbo – para pensar outra coisa ao ler trechos como “Ia alternando a casa e o seminário. Os padres gostavam de mim. Os rapazes também e Escobar mais que os rapazes e os padres”? Prestem atenção, pô.

    Francis: Waaal.

    Millôr: Um dia ainda escreverei um artigo sobre isso.

    Francis: Talvez não. A gay lib fará mais barulho que o usual.

    Nelson: Bentinho era um covarde. Deveria ter dado uma bofetada em Capitu. A deixaria aos pés dele. Toda mulher gosta de apanhar. O homem é que não gosta de bater.

    Francis: Não tenho certeza de que não goste. Penso que é da essência do masculino maltratar o feminino. Um casal de gatinhos recém-nascidos e o macho espanca a fêmea. Garotos, no meu tempo, implicavam com as meninas. O que se há de fazer? É claro que por trás dessa agressividade há o medo masculino do poder sexual da mulher.

    Nelson: O poder sexual da mulher...

    Millôr: Com o aumento no número de mulheres que dirigem carros, prevejo que a grande fonte de piadas acerca delas será justamente o desempenho ao volante. 10% das mulheres dirigirão admiravelmente, 90% serão material de anedota. Me cobrem daqui a 30 anos.

    Nelson: A pior atitude das moças modernas é a que vi outro dia num botequim: tomar refrigerante na própria garrafinha, com canudo! É uma imoralidade colossal. Peço a Deus que acabe com esse costume atroz.

    Francis: Acalme-se, Nelson. Você mesmo diria que ‘está subindo pelas paredes feito uma lagartixa profissional’.

    Nelson: Obrigado pela citação. É que essa nova geração realmente me faz muito mal. Os idiotas são maioria. Perderam a modéstia e querem mandar no mundo, inclusive no Brasil.

    Francis: We belong to a time when Brazil was a civilized country.

    Nelson: Nosso país é maravilhoso, ô, Francis. O problema não é ele, são os idiotas. O brasileiro é formidável. O Brasil vai substituir os Estados Unidos e a Rússia! Nessas horas de crítica à pátria, você vira um cretino fundamental.

    Francis: E nessas horas de delírio ufanista você se torna um subdesenvolvido. Quanto mais pobre um país, mais nacionalista.

    Millôr: Ser brasileiro me deixa sempre um pouco subdesenvolvido.

    Nelson: Brasileiro tem luz própria. É o único povo que faz piada na catástrofe. O problema é que não tem autoestima. O mesmo problema de todos os países subdesenvolvidos. Quando um povo não acredita em si mesmo, não acredita em nada. Não contribua, meu caro Francis.

    Francis: O que você quer que eu faça? Brasileiro já tem autoestima demais. O Brasil é um asilo de lunáticos onde os pacientes assumiram o controle. Ponto. Se alguém dissesse certas coisas no Brasil, eu não diria. Detesto criticar os outros. Mas ninguém diz, então digo eu. Vou contra os rinocerontes a la Ionesco.

    Nelson: Mas é claro como água que vejo aspectos negativos no país também! Aqui igualmente se tem esse tipo abominável de ser humano: o que se falsifica. Aquele que se basta em fazer pose. No Rio, por exemplo, vai-se ao Antonio’s por motivos ideológicos, literários, e não alcoólicos. É um restaurante que não é restaurante, mas uma simples atitude. Come-se com desprazer e bebe-se com tédio, lá, mas fazemos a nossa pose. Frequentar certos lugares é uma maneira de ser intelectual ou socialista sem redigir uma frase e arriscar uma opinião. E assim, falsários da vida, dos valores da vida, vamos fazendo as nossas poses políticas, ideológicas, literárias, religiosas...

    Francis: Só há isso de reprovável? Você é um otimista em relação ao Brasil, Nelson. E todo otimista é um mal-informado. A pobreza cultural e política brasileira é maior. Escrevam: o Brasil vai entrar no século 21 com o José Sarney, aquela barracuda da ARENA, ainda ocupando algum cargo importante. E isso diz muito sobre o país.

    Millôr: O Brasil é um filme pornô com trilha de bossa nova.

    Francis: Mas o que você observou é fato. Comunista que não leu Marx e Engels é comunista limonada. Da boca pra fora. Se bem que comunismo sério também é uma besteira. Aliás, a melhor propaganda anticomunista é deixar um comunista falar.

    Nelson: Nisso você tem a mais cristalina razão. Concordo totalmente. Não tenho o menor escrúpulo em concordar e passar por reacionário. Me chamem de reacionário!...

    Francis: Não sou reacionário, sou uma pessoa que fala a realidade. Reacionário é quem acredita em governo. Todos os governos tendem a ser ditatoriais – o brasileiro, inclusive – e há quem acredite em tudo que o governo faz.

    Nelson: Reacionário é quem reage contra tudo que não presta.

    Millôr: Esta generalização é um pouco precária, como todas.

    Francis: Mesmo quando discordo acho que você merece nota dez com louvor em tudo, Millôr.

    Millôr: Você como sempre muito capaz de expressar suas opiniões sem medo e às vezes até exageradamente.

    Nelson: Também me agrada falar bem dos amigos, mas vou me retirar. Festas cansam.

    Francis: A excluir o fato de ter me propiciado a companhia de vocês, essa festa está mesmo uma merda. Uma merda. Vou para casa ler Edmund Wilson e Bernard Shaw e ter um pouco de contato com civilização.

    Millôr: E eu vou lá traduzir mais um clássico da dramaturgia.

    Francis: Molière? Ibsen? Shakespeare?

    Millôr: Entre outros.

    Francis: Ótimo. Adeus, rapazes.

    Nelson: Ainda vou acender meu último cigarro. Um derradeiro e trágico cigarro.

    (Francis sai cantarolando uma ária de Wagner. Millôr, já saindo, pede lápis e papel para esboçar um desenho, no táxi. Presume-se que Nelson tenha fumado o cigarro com toda a sofreguidão.)

    Mais de Lucas Colombo

    Receba a newsletter

    Joomla Forms makes it right. Balbooa.com

    Mínimo Múltiplo

    Porto Alegre - RS

    Rua João Abbott, 283/202
    Petrópolis - Porto Alegre/RS - CEP 90460-150
    By iweb