Get Adobe Flash player
 

O que vai acontecer com Temer?

Fica até 2018
Sai antes
Ele e Dilma vão descobrir que se amam, lembrar os bons momentos juntos e reatar

 
 



    Redemoinho
    by Flávio Aguilar

    Os heróis de 2008
    18/12/2008


    Dificilmente alguma revista, jornal ou similar deixará de, na tarefa de escolher a personalidade do ano de 2008, optar pelo furacão Barack Obama. Mas pensemos que, talvez, o veículo em questão tenha vocações exageradamente patrióticas; nesse caso, não seria de todo surpreendente encarar na primeira página uma imensa foto de César Cielo ou Felipe Massa ou outro desses grandes brasileiros que mostram o poder da nação brasileira aos olhos do exterior (sic).

    Segue, porém, a brincadeira. Digamos que estamos falando de uma revista de comportamento ou variedades (adoro essas definições); nesse caso, Madonna seria a grande figura de 2008: “aos 50 anos, rainha do pop mostra que continua poderosa”. Revistas femininas poderiam acabar utilizando o mesmo critério para escolhê-la. E, se formos pensar bem, a questão de ‘poder’ normalmente será o norte dessas escolhas, fadadas a exercitar o fascínio das pessoas pelo sucesso.

    Para mim, 2008 é um ano simbolicamente triste, indecorosamente amargo. Em meio à calamidade do mercado financeiro, surgiram dúvidas e incertezas sobre os rumos que a humanidade vem tomando. Não é a primeira vez que o capitalismo é colocado em xeque, nem a primeira vez que seu pior inimigo, o Estado (nesse caso, com inicial maiúscula, mesmo), corre para salvá-lo. A diferença é que, dessa vez, a ruína econômica vem acompanhada de questionamentos ambientais, fracassos sociais, terrorismo, tensões diplomáticas e, principalmente, difusão da informação.

    A contestação dessa ordem sócio-econômica, no Brasil, esbarra na figura que temos do Estado: Lula e mais uma cambada de gente que não gostaríamos de ter na família. Enquanto o presidente se distancia dos problemas – como sempre – com seu tradicional carisma, a cambada cuida das finanças e, infelizmente, de todo o resto também. Um ano de eleições como foi esse que está acabando sempre serve para nos lembrar da enrascada em que nos metemos.

    Para não me ater apenas à choradeira política e econômica, menciono agora aqueles que, a meu ver, foram os destaques de 2008 em diferentes áreas, sempre sob meus critérios mais francos:

    Política – Quem imaginaria que Fidel Castro, o rei de Cuba, passaria seus últimos dias heroicamente recolhido em seus ricos aposentos? Castro, hoje, conta aos netos a história da Baía dos Porcos, com os requintes pitorescos que o caso merece. O líder revolucionário ainda sente o gostinho de ter visto alguns ex-aliados, como o fracassado Ernesto ‘Che’ Guevara, terem morrido antes dele.

    Economia – Daniel Dantas, o gênio brasileiro das finanças, mostrou-se também um gênio da política e do crime (perdoem a redundância), levando a temerosa Polícia Federal à primeira grande derrota após uma série de dedadas nos poderosos. Na reta final, o americano Bernard Madoff, autor de golpe bilionário em algumas das maiores instituições financeiras do mundo, quase emparelhou a briga.

    Esporte – O Padre Voador (alguém sabe o nome dele?) mostrou coragem e determinação ao enfrentar os limites da natureza – e da inteligência humana. Teve uma morte poética e única, que nos comoverá e fornecerá boas (e sensíveis, claro) piadas por muito tempo.

    Cultura – 100 anos da morte de Machado de Assis? 100 anos do nascimento de Guimarães Rosa? 50 anos de Bossa Nova? Que nada! Nenhuma dessas efemérides faz sequer cócegas no Coringa interpretado por Heath Ledger no último “Batman”. A morte do ator só aumentou a empatia pelo já carismático personagem. Medalha de prata, merecida, vai para Marcelo Silva, mais conhecido como “ex-marido malucão da Suzana Vieira”.

    Revelação – Empate técnico entre as infelizes Isabella e Eloá, que, cada qual à sua maneira (à sua morte), conseguiram ser banalizadas com maestria pela mídia brasileira, sempre tão magistralmente operante.


    flavioaguilar@gmail.com



    Mais Flávio Aguilar
    The President - 13/11/2008
    Pout-porrit argentino - 11/09/2008
    Política é coisa séria? - 21/08/2008
    O (não) fabuloso destino de Rubião (Especial Machado de Assis) - 22/07/2008